Arquivo da tag: cliente

Os clientes captam as informações de várias formas…

Nem todas as pessoas têm exatamente as mesmas preferências e habilidades quanto aos estímulos sensorias. Alguns preferem o canal visual: “ver para crer”. Alguns têm que ouvir pois, “uma palavra vale mais que mil imagens”, “outros preferem cheirar, degustar e sentir o que está acontecendo”.

“Um casal entra em uma loja e o vendedor escuta uma conversa entre eles:

Ela: você não me ama mais.

Ele: o que você quer dizer com isso? Eu sempre lhe trago flores, comprei-lhe um presente na semana passada.

Ela: Ah! Mas você não diz que me ama.

O vendedor percebendo que ela é auditiva, pois precisa escutar “eu te amo”, já ele é visual demonstra seu amor através de presentes. Se a situação fosse inversa, ele diria “eu te amo” e ela responderia, mas você nunca mais me trouxe flores.

Se o cliente for sinestésico ele gostará de ser tocado e ficar perto das pessoas. Quando um visual fica perto de um sinestésico ele se afasta para ter uma visão global do ambiente, enquanto que o sinestésico tenta se aproximar para sentir melhor

Dá próxima vez que um cliente entrar em sua loja tente descobrir em qual canal ele recebe as informações que você está passando. Eles sempre dão sinais do seu canal, falando frases do tipo: está vendo o que quero dizer? Isso soa correto? Você sente que estou com razão? Ou minha explicação não está cheirando bem?

Prof. Menegatti é conferencista em Vendas, Motivação e Liderança. Entre seus produtos estão: o Livro “Talento é fazer coisas comuns de forma extraordinária”, CD “Técnicas de Vendas”Motivacional e do DVD “Venda Emoção”. Contatos: www.menegatti.srv.brmenegatti@menegatti.srv.br



Posso tocar no meu cliente?



Não existem regras sobre quando é ou não apropriado tocar um cliente fisicamente. Quando o toque é ade­quado e conveniente, ele pode acrescentar um imenso valor na consolidação de uma relação.

Ter a capacidade de avaliar as coisas com bom senso e honestidade de intenção são características es­senciais. Com isso, você pode argumentar que há casos em que o contato físico seria inadequado e, portanto, de alto risco. Mas, isso não significa que não devemos cumprimentar a maioria dos clientes:

Sinal verde: alguns toques podem ter um impacto positivo nos clien­tes, envolvendo duas áreas consideradas aceitáveis: mão, ombro e o cotovelo. O aperto de mão é o primeiro contato entre duas pessoas e a iniciativa deve vir de quem está se apresentando. Bater de leve no ombro para tranquilizar a pessoa pode sinalizar uma intenção emocional. Da mesma forma, ao guiar um cliente pe­lo cotovelo, você pode indicar que está verdadeiramente empenhado em ajudá-lo.

Sinal amarelo: há algumas zonas em que o toque pode ser altamente apropriado ou inconveniente. O primeiro exemplo é tocar a mão de uma cliente. Em contrapartida, segurar a mão de um idoso quando ele está triste pode demonstrar sua compaixão. O segundo é passar o bra­ço em volta do ombro de um cliente. Quando adequado, esse gesto indica amizade verdadeira.

Sinal vermelho: um toque que causa muita confusão é beijar uma cliente no rosto. Será que você deve fazê-lo? A regra é evitar, a não ser que conheça muito bem a cliente e deseje saudá-la como a uma ver­dadeira amiga. Nesse caso, trocar beijos no rosto é aceitável.

Prof. Menegatti: é conferencista em Vendas, Motivação e Liderança. Entre seus produtos estão: o Livro “Talento é fazer coisas comuns de forma extraordinária”, CD Motivacional “Marcado para Vencer”, DVD “Venda Emoção”. Contatos: http://www.menegatti.srv.brmenegatti@menegatti.srv.br

 

 


O Cliente Não Espera…

Você tem certeza que está preparado para atender o cliente exigente e determinado?

Aquele que sabe o que quer e esta com o dinheiro na mão? Aquele que busca mais do que um corretor de imóveis, busca um consultor de vendas, uma profissional que lhe posicione em relação as vantagens do investimento e que sustente a idéia de um imóvel dentro de seus sonhos e de suas possibilidades. Em uma analise simples e rápida, pergunte a você mesmo: Estou preparado para atendê-lo? Quanto do meu tempo dediquei para estudar e organizar minhas informações para quando precisar delas?

Questione-se, veja quantos negócios fugiram das suas mãos por falta desta organização, por falta de evolução e de conhecimento sobre o produto, por falta da utilização de meios eletrônicos que te ajudam a buscar a informação de forma rápida e organizada. Conhecer o que esta vendendo nos detalhes, saber sobre método construtivo, diferenciais dos seus produtos, saber sobre mercados, conhecer perfis de clientes, são requisitos básicos para trabalhar neste ramo.

A busca de evolução de educação continuada vai fazer a diferença nos negócios imobiliários dos próximos anos, clientes exigentes pedem corretores/consultores de imóveis cada vez mais preparados.

Então mãos a obra, corra atrás do tempo perdido, pois o clientes não espera…

Por Clovis Ribeiro – Infodocorretor


Guia Prático do Cliente e Corretor de Imóveis

 

Nesta categoria trataremos de assuntos pertinentes a função do corretor de imóveis, mostrando sempre de forma clara e prática as atribuições, documentação, procedimentos e limites para o bom desempenho da função  sempre indicando um caminho para a solução de problemas.

Aos clientes/investidores  colocaremos assuntos importantes e imprescindíveis para compra tranqüila de seu imóvel  sem os percalços na escolha de um corretor ou imobiliária  que não atendam as suas necessidades.

Esta Categoria “GUIA PRÁTICO”, será com certeza um fórum de discussão onde os assuntos serão debatidos, sugeridos pelo Infodocorretor ou por sugestão dos seguidores do Blog.

Por Clovis Ribeiro/Infodocorretor